sexta-feira, 18 de junho de 2010

...onde ver é desnecessário!

Na minha andança mundo afora, tive a oportunidade ver muita coisa interessante…

Mas a oportunidade de sentir ao invés de ver, eu só tive uma. E foi aqui em Zurique que experimentei a sensação de não enxergar (com os olhos).
Aqui existe um restaurante (o primeiro do mundo à adotar esse conceito) onde tudo é às escuras.

A história desse lugar começou em 1998 com a exposição “ Dialog im Dunkeln” (“Diálogo no Escuro”) exibida no “Zurich Museum of Design”. Jürg Spielmann (um líder espiritual) e Stephan Zappa (um psicólogo) se conheceram e resolveram investir num projeto que tinha a escuridão como tema. Eles juntaram forças com a assistente social e deficiente visual Andrea Blaser e com o cantor e também deficiente visual Thomas Moser e formaram a Fundação “Blind-Liecht” (“Luz Cega”). O propósito dessa fundação é promover um entendimento mútuo entre os deficientes visuais e os não deficientes da nossa sociedade.
À partir dessa Fundação, o projeto de montar um restaurante totalmente às escuras pôde ser realizado em setembro de 1999.


Todos dizem que os
olhos são tão importantes quanto o paladar quando comemos. Mas não no “blindekuh” (que significa ao pé da letra “vaca cega”, mas que faz referência à brincadeira que chamamos de “cobra-cega”), onde os prazeres de comer podem ser experimentados com os outros sentidos que possuímos, mas não com o de enxergar.

Fachada do restaurante

Todos os funcionários (exceto os cozinheiros) são deficientes visuais. Luz mesmo somente na recepção e nos banheiros. Na chegada recebemos um número para identificar nossa mesa, as instruções para guardarmos todos os nossos pertences nos armários disponíveis e o nome do funcionário que nos atenderia…Essa é a unica forma de chamarmos o atendente quando queríamos alguma coisa.
O menu é projetado na entrada, em quatro línguas, assim escolhemos o
que queremos comer antes de entrarmos no salão.
O salão é totalmente escuro e os visitantes são guiados até a mesa (até a saida e até ao banheiro também).
Comemos no escuro total, e com as mãos! Eu não conseguia enxergar nada. Nem meu marido que estava na minha frente. A comida estava maravilhosa e o fato de saber que ninguém estava me vendo comer me vez ficar mais ou menos à vontade.

Essa experiência é algo inexplicável e muito particular. É uma sensação estranha e maravilhosa, engraçada e amedrontadora, tudo ao mesmo tempo! Algumas pessoas não voltam, outras voltam sempre que podem, mas garanto que todas as que tiveram a oportunidade de vivenciar a sensação de não enxergar, valorizam muito mais o dom de ver e também admiram muito mais aqueles que vivem sem ver o mundo com os olhos, mas que enxergam muito mais longe com o coração. O exemplo do Blindekuh é seguido mundo afora, e hoje encontramos em outros países restaurantes com o mesmo conceito e com a mesma missão de mostrar para a sociedade que ser deficiente visual é não ter limites!

Restaurantes como o Blindekuh:
“Blindekuh” em Zurique, Suiça
“Blindekuh” em Basel, Suiça
“Unsicht-Bar” em Colonia, Alemanha
“Nocti Vagus” e “Unsicht-Bar” em Berlin, Alemanha
“Taste of Darkness”em Frankfurt, Alemanha.

“Unsicht-Bar”
em Hamburg, Alemanha
“Dans le Noir” em Paris, França

“Dans le Noir” em Londres, Inglaterra
“Dans le Noir” em Moscow, Russia


Slogan do restaurante (foto: blindekuh.ch)

Blindekuh em Zurique: Mühlebachstrasse 148
CH-8008 Zürich

Website: www.blindekuh.ch

1 recados: ADORO!:

Adriana disse...

Não deixaria de experimentar por nada! Adoro novas e incomuns experiêcias.

Beijos

Dri
http://coisasqueeuamoetc.blogspot.com